domingo, 2 de julho de 2017

Sensibilidade


Um poema inspirado no sentir... 


Momento e meio uma pluma se tornará pesada
Uma das saídas é adormecer
Surge, insípida, uma emoção
Vontade desmedida de correr
A liberdade dos frisos grãos
Tudo o que sinto - que está aqui
Intrínseco
Vontade de por em prática toda a sagacidade
Toda a verdade
De lábios que encostam
Que degolam
Que mais uma vez 
(ah, que estupidez!)
Em meios tão escuros (se perdeu)
É tão bom sentir
Fitar olhos correspondentes
São águas correntes
Que me levam às margens
D'um rio fecundo e auspicioso
Não leva o tempo
Para no espaço
Volta e (re)volta os sentidos que se aguçam.

Obrigado por ler até aqui!

Nenhum comentário:

Postar um comentário