terça-feira, 18 de outubro de 2016

O PRETÉRITO


Qual é?!... Por que este medo em se entregar?... De onde vem tanto receio, tanta angústia, tanto amedrontamento?... De onde?!. Há explicação para evitarmos algo tão bom e ao mesmo tempo tão sonhado? Heim?! Hã?!...

Nos privamos de cenas, de passagens, de beijos, de abraços, de ternuras, tudo pela história. Sim. Por conta do nosso passado. Nos restringimos, deixamos de lado momentos que poderiam nos dar toda a liberdade que procuramos; todo o amor que sempre quisemos; toda a elegância de sentimentos que pensávamos estar  extinta... Nos bloqueamos! O passado age de maneira veemente em nossas vidas, surtindo efeitos deletérios; cheios de poderes que nós mesmos atribuímos. Uma verdadeira venda nos olhos. 
Muitos dos nossos desejos estão intrinsecamente associados ao nosso desprendimento com o mundo, com o nosso Eu, com os comentários que nos cercam, com as pessoas que nos dizem todos os dias para não fazer, para não mudar, para não arriscar. No entanto, contradigo todas essas falhas indagações, cheias de medo, de intolerância e ignorância, arrisque-se! Jogue-se do mais vil dos penhascos e corra, salte! Ame, brinque, sorria, vista-se de uma maneira "diferente". Seja. Não deixe que seu passado condene seu presente, muito menos, o seu futuro. 
A vida pede que sejamos fortes, valentes, que representemos a nossa espécie no que tange a sua capacidade natural de defesa, sua capacidade de raciocínio; use-o! Para que as coisas sejam melhores, é preciso que façamos por merecê-las. Nada, absolutamente nada, virá às nossas mãos, ou cairá dos céus se não aprendermos a confrontar o que nos confronta. Se o seu passado te confronta, e não te permite amar, fazer, sonhar e realizar, tenha em mente que você está sendo derrotado a partir do momento que essa situação se faz apaziguada. Não. Isso não pode acontecer. Crie uma guerra, lute para vencê-la, atravesse o sentido do passado, permita-se viver o presente; corra! 

Obrigado por ler até aqui! 

2 comentários: