quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Anoitecer




Dum horizonte eu via o entardecer
A lua surgia (eu estava num ponto especial)
Dava-se lugar às penumbras
A lua dourada daqui (nada matricial)
Tinha gosto 
Tinha tato
Tinha sensibilidade aflorada
As estrelas davam-na a propriedade embriagadora
Eu sentia-me emocionado
Privilegiado ao contemplá-la.
O som dos invertebrados era flamejante
O mistério da noite se fazia presente (esperava chega-la)
Sorria (antes de'u morrer).
Percorria-me a emoção mais célere (tinha paz)
Transitava no meu cerne a pulsação perspicaz
Eu agradecia, ria àquele anoitecer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário